Justiça

Rondônia registra quase 10 mil denúncias de violência doméstica em 2020

Ameaça representa mais da metade dos boletins de ocorrência. Quantitativo de casos apontados pela Sesdec pode ser maior, pois muitas vítimas não registram boletim.


A polícia de Rondônia registrou 9.814 ocorrências de violência doméstica entre janeiro e dezembro de 2020, segundo dados do Sisdepol, o sistema da Polícia Civil do Estado.

Conforme o levantamento, solicitado pelo G1 à Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), o maior número de ocorrências registradas no último ano foi de ameaças: um total de 5.347.

Os crimes de violência doméstica, de acordo com a Civil, são divididos em ameaça, difamação, calúnia, injúria e lesão corporal.

No decorrer de 2020 foram registradas de 400 a 520 ocorrências de ameaça por mês, sendo que novembro teve o maior pico: 521 denúncias.

O segundo crime com maior registro no ano passado foi lesão corporal: 3.844 no total. Na média mensal, o número varia entre 280 e 380, sendo que novembro também apresentou o maior número de ocorrências de lesão corporal: 380 casos em 30 dias.

Três crimes contra mulheres marcaram o mês de novembro de 2020, sendo o primeiro de uma mulher de 45 anos que foi atacada e voltou a ser agredida pelo companheiro em Porto Velho.

O segundo é o de uma jovem de 20 anos, que, com medo de morrer, denunciou o ex após ele fazer ameaças de morte em Itapuã do Oeste (RO), e o terceiro caso é de uma mulher de 51 anos que foi agredida com soco pelo companheiro, um homem de 21 anos, na capital.

Subnotificações

Mesmo diante do número de ocorrências registradas pelo sistema da Sesdec, o quantitativo real da violência doméstica é outro, na opinião de autoridades. Isso porque há vítimas que não fazem o registro na delegacia, tendo assim, um grande número de subnotificações de casos.

“Quanto menos acesso a vítima tem ao mundo exterior do qual ela vive, ela não sabe a quem procurar diante de uma violência sofrida”, destaca a delegada e diretora de Central de Flagrante na capital, Rosilei Lima.

Comentários Facebook
Fonte
G1

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo